quarta-feira, 4 de maio de 2016

PARÁ LIDERA PRODUÇÃO DE ENERGIA NA REGIÃO NORTE



Nos últimos 12 meses, usinas paraenses geraram 42% de toda energia entregue ao Sistema Interligado Nacional pela região
Dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE mostram que, nos últimos dozes meses, o estado do Pará liderou a geração de energia no Norte. As usinas paraenses produziram 3.728,5 MWmédios, ou seja, 42% dos 8.844,5 MWmédios de energia gerados na região entre abril de 2015 e março deste ano.
A fonte hídrica, que engloba usinas hidrelétricas de grande porte e Pequenas Centrais Hidrelétricas – PCHs, foi a principal responsável pelo desempenho do Pará no período com 3.723 MWmédios produzidos. O restante da energia gerada do estado foi entregue por usinas térmicas.
Depois do Pará, o estado do Norte que mais produziu energia no período foi Rondônia com 2.826 MWmédios, o equivalente a 32% do total. Na sequência, aparecem Maranhão (1.273 MWmédios), Amazonas (663,5 MWmédios), Amapá (276,5 MWmédios) e Tocantins (77 MWmédios).

Ranking – Maiores produtores de energia - Norte (abr/15 – mar/16)
Posição
Estado
MW médios
Pará
3.728,5
Rondônia
2.826
Maranhão
1.273
Amazonas
663,5
Amapá
276,5
Tocantins
77

Na análise da evolução da capacidade instalada por estado, o Pará também se destaca na região. Em março de 2016, o estado alcançou 8.503 MW que correspondem a 36% do total da região (23.526 MW). Na sequência, aparece Rondônia com 7.663 MW (32,5%), Maranhão (3.490 MW), Tocantins (1.599 MW), Amazonas (1.195 MW), Amapá (1.030 MW) e Acre (45,5 MW).

Sobre a CCEE
A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE (www.ccee.org.br) é responsável por viabilizar e gerenciar a comercialização de energia elétrica no país, garantindo a segurança e o equilíbrio financeiro deste mercado. A CCEE é uma associação civil sem fins lucrativos, mantida pelas empresas que compram e vendem energia no Brasil. O papel da CCEE é fortalecer o ambiente de comercialização de energia - no ambiente regulado, no ambiente livre e no mercado de curto prazo - por meio de regras e mecanismos que promovam relações comerciais sólidas e justas para todos os segmentos do setor (geração, distribuição, comercialização e consumo).

Fonte: CDI Comunicação Corporativa
Leia Mais ►

AH ... MAZÔNIA

Foto> Alcirema Magalhães

Leia Mais ►

ENTENDA COMO A FLORESTA DA AMAZÔNIA AQUECE A ECONOMIA DO BRASIL




Conheça mais sobre o setor florestal brasileiro e as unidades de conservação que geram dinheiro e renda para o país
Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) apontam que as florestas representam 30% do território mundial. O Brasil é o segundo país com a maior área de floresta do mundo, o equivalente a 60,7% do território nacional, ficando atrás apenas da Rússia. Dona de cinco milhões e meio de quilômetros quadrados cobertos pela floresta tropical, a Amazônia gera benefícios ambientais e econômicos para o Brasil.
As florestas armazenam boa parte das fontes de água, regulam o clima, aumentam a umidade e são essenciais para várias espécies de organismos vivos. Sua essencialidade é o que leva a várias organizações e setores a discutir regulações internacionais, como a que aconteceu na COP-21. Além dos benefícios ambientais, o setor da Indústria Madeireira foi a que mais cresceu na Amazônia.
O setor florestal brasileiro gera produtos à base de madeira, mas também alimentos, bebidas, plantas medicinais e extratos (frutas, castanhas, mel), além de cortiça, resinas, taninos, óleos essenciais e borrachas. Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o país acumulou, entre janeiro e novembro de 2015, um saldo de US$ 6,5 bilhões em exportações de produtos florestais.
Com relação aos produtos madeireiros, as vendas de celulose atingiram US$ 5,1 bilhões do total, papéis e cartões chegaram a US$ 1 bilhão e madeira serrada US$ 416 milhões. Os principais destinos foram Europa, América Latina e China. Leis promovem o crescimento do mercado em várias partes do país.
Na Região Norte, através do porto de Porto Velho, uma única empresa exportou U$ 6,38 milhões da espécie para a China, Vietnã e Índia. No ano anterior, a exportação foi superior a 25 mil metros cúbicos (m³), e até maio de 2015 a comercialização atingiu 13,5 m³, segundo dados da Coordenação Estadual de Floresta Plantada.
No Amazonas, o setor madeireiro registrou um alto crescimento decorrente do aumento no número de exportações. De acordo com os Indicadores de Desempenho da Suframa,no primeiro bimestre deste ano, as vendas a nível internacional bateram os R$ 8,86 milhões. No mesmo período de 2015, esse montante somou R$4,47 milhões. Crescimento de 98,22%.
Moyses Benarrós, presidente do Sindicato das Indústrias de Madeiras Compensadas e Laminadas no Estado do Amazonas, disse que boa parte da madeira utilizada pelas fabricantes é proveniente da cidade de Boa Vista, no Estado de Roraima.
Para Benarrós, o crescimento pode ser atribuído ao incremento nas exportações e ainda à comercialização mobiliária aos Estados do Ceará, Pernambuco e São Paulo. “Em meio aos índices negativos, esse percentual nos alegra. A matéria-prima utilizada pelas maiores empresas locais é proveniente de Boa Vista, passa pela produção no Amazonas e segue em distribuição nacional ou para exportação”, disse.
Sustentabilidade
Unidades de Conservação são áreas de florestas que são protegidas por lei federal. Essas áreas, em alguns casos, podem ser utilizadas pelas comunidades que ali vivem para criar com produtos oriundos da própria floresta e gerar renda. O país tem mais de 320 unidades espalhadas por todos os biomas.
Na Amazônia, em Carauari, a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) criou um projeto junto aos produtores ribeirinhos e lideranças representantes das entidades atuantes  no  Território do Médio Juruá que vai ajudar os ribeirinhos a melhorar o processo de colheita e transformação dessa matéria prima em produto feitos da floresta.

Fonte/Foto: Portal Amazônia/Arquivo
Leia Mais ►

ATENÇÃO: ENCERRA NESTA QUARTA, O PRAZO PARA TIRAR OU REGULARIZAR O TÍTULO ELEITORAL




De acordo com o TRE, eleitor que não se regularizar terá título cancelado.
Pessoas com pendências serão isentas da multa nesta quarta-feira.
O prazo para tirar ou regularizar o título eleitoral encerra nesta quarta-feira (4),em Santarém, oeste do Pará. De acordo com o Cartório Eleitoral, pessoas que ainda não realizaram o recadastramento biométrico ou ainda tem alguma pendência, devem se regularizar junto à Justiça Eleitoral.
De acordo com o chefe de cartório da 83ª Zona eleitoral, Rodrigo Frota, os eleitores precisam ficar atentos para a regularização, pois quem não fizer dentro do prazo terá o título cancelado. As pessoas que pretendem fazer transferência de domicílio para votar em Santarém e pessoas que irão tirar o título pela primeira vez para votar na próxima eleição também devem comparecer nos postos de atendimento.
Segundo o servidor do Cartório Eleitoral de Santarém, Alcebíades Dias, as pessoas que estão com pendências com a Justiça Eleitoral serão isentas da multa nesta quarta-feira. A isenção neste último dia é em virtude da demanda do público com a finalidade de agilizar o procedimento para regularização. O balanceamento com o número de pessoas que conseguiram se regularizar serão disponibilizados somente após o término do prazo e processamento das informações pelo TRE.

Fonte: G1 Santarém
Leia Mais ►

EDITAL DA CELPA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TEM INSCRIÇÕES PRORROGADAS



As inscrições do primeiro edital da Celpa para seleção pública de projetos sociais foram prorrogadas até o dia 31 de maio.  Podem participar do processo de seleção as ONGs, as entidades filantrópicas, as OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), as organizações e outras formas de associações civis sem fins lucrativos, que estejam regularmente constituídas, legalizadas há pelo menos um ano e que desenvolvam trabalhos com foco em educação, inclusão e promoção social, esporte e cultura.
O edital completo, com todas informações detalhadas sobre os documentos que são necessários para inscrever os projetos, está disponível no site da concessionária, o www.celpa.com.br. Basta clicar na área “Conheça a Celpa”, depois em “Responsabilidade Social” e fazer o download do edital.
Para o executivo da Celpa, João de Deus Lobato, esta é mais uma grande chance de incentivar o bem-estar social. “A Celpa está empenhada em contribuir cada vez mais com o desenvolvimento do Estado e a prorrogação do prazo para as inscrições no Edital é uma excelente oportunidade para aquelas instituições que ainda não fizeram, de reunirem a documentação e mandar os seus projetos para nós. É um orgulho saber que estamos gerando oportunidades de renda, desenvolvimento social e melhoria da qualidade de vida de centenas de paraenses”, diz.
Esta ação ocorre por meio do Programa de Responsabilidade Social da Celpa e visa a concessão de patrocínio para projetos sociais, de acordo com as condições e exigências estabelecidas no edital. Após seleção e aprovação, os projetos devem ser implementados durante os anos de 2016 e 2017, com o intuito de contribuir para a melhoria da qualidade de vida das comunidades e potencializar o desenvolvimento sustentável do Estado.

SERVIÇO
Edital para seleção pública de projetos sociais
Quem pode inscrever: ONGs, OSCIP, as organizações e outras formas de associações civis sem fins lucrativos, que estejam regularmente constituídas, legalizadas há pelo menos um ano e que desenvolvam trabalhos com foco em educação, inclusão e promoção social, esporte e cultura.
Inscrições: até o dia 31 de maio.
Edital completo: disponível no site da Celpa (www.celpa.com.br)

Fonte: Assessoria de Imprensa- Celpa 
Contatos: Cora Coralina / Jamylle Vieira / Anselmo Monteiro
Telefone: (91) 3210.6703 /3210.6781 /9 8871.4539/ 9 8871.2147/ 9 8100.8842
Central de Atendimento ao Cliente: 0800 091 0196


Leia Mais ►